O Perdão faz bem! Mas, como perdoar? 4 livros que te ajudarão

Olá amigo(a) do Conteúdo Espírita, o que é o verdadeiro perdão? Como ele pode nos ajudar a nos libertar das amarras do ódio, do ressentimento e da mágoa? Qual é o poder do perdão em nossa saúde emocional e espiritual?

Conheça a resposta para essas e outras perguntas relacionadas ao perdão, além da dica de 4 livros (psicografados por Divaldo Pereira de Franco ditados pelo espírito benfeitor Joanna de Ângelis) e 10 frases sobre perdão para te ajudar a fazer essa escolha consciente de perdoar a si mesmo, assim como aos outros.

O que é o verdadeiro perdão?

O verdadeiro perdão é atitude que liberta das amarras do ódio, do ressentimento e da mágoa, impedindo o ser de avançar na busca pela felicidade relativa à que pode alcançar neste mundo, bem como mantendo-o nas malhas do desequilíbrio emocional, predispondo-o mais intensamente às enfermidades de variada ordem.

Perdoar é escolha consciente que independe da concordância de quem quer que seja, desde que o indivíduo se dê conta de que a melhor opção é perdoar, poderá seguir nesta direção, sem depender da aprovação ou não, do consentimento ou não, pois perdoar é uma decisão de cada um.

O verdadeiro perdão é resultado de uma análise sincera, de um lado, do agressor, que reavaliando suas atitudes, seja porque percebeu seus excessos, ou seja em razão das argumentações do agredido, ou ainda pelas colocações de terceiros que participaram direta ou indiretamente do fato, percebe sua falência moral e conclui pela necessidade de buscar a reabilitação, e de outro lado, do agredido, o que sofreu a agressão, que após o ocorrido, agora fora do momento gerador da tensão, do desconforto, passa a avaliar a ocorrência e se dá conta da necessidade de perdoar e optar por não carregar os sentimentos deprimentes que a agressão sofrida darão lugar, caso deixe-se manter no vínculo com a ocorrência malsã.

Leia também: Reencarnação existe? O que é, o que diz a Bíblia, para que serve?

Qual é o poder do perdão?

O perdão tem um poder extraordinário, qual seja, o de produzir saúde emocional em quem o consegue praticar. Pois todo aquele que atinge esta condição, a muito custo e a duros esforços, vencer seus impulsos ainda animalizados, que todos trazemos em nosso mundo íntimo, em razão ainda da nossa pouca evolução, obtém uma grande vitória, a vitória sobre si mesmo, ainda que de forma isolada e não plena. Pois faz a opção de não se deixar vincular pela ação equivocada, pelo contrário, consegue perceber o seu erro, dá-se conta que, sendo ainda um ser imperfeito, iremos todos errar, resvalar e proceder mal, e estas não são apenas constatações, são verdadeiras bênçãos. Pois auxiliam à que o indivíduo que se equivocou contra outrem, não permaneça nas faixas infelizes dos sentimentos menos nobres, e readquira a serenidade para prosseguir em relativa paz, pois que buscou refazer-se do seu erro.

Leia também: Espiritismo: o que é, história, fundamentos e principais obras

Motivos para perdoar…

Temos vários motivos para optar pelo perdão e nos esforçar para lograr este êxito, especialmente pelo fato de que, quando não perdoamos, nos deixamos seguir atrelados, presos à ocorrência nefasta, e sem nos darmos conta seguimos carregando conosco. Presente em nós esses sentimentos de rancor, de mágoa e de ressentimento, o que nos manterá desestabilizados emocionalmente, possivelmente nos direcionando às enfermidades dilaceradoras em razão do desequilíbrio das energias mantenedoras da saúde, que estes pensamentos menos nobres irão gerar.

Também é motivo para escolhermos perdoar, o fato de que, quando não perdoamos, estamos deixando que o agressor nos controle, que ele decida por nós. Pois todas as vezes que o reencontrarmos, iremos relembrar dos fatos vividos, e todas as sensações desagradáveis vividas, retornarão à nossa casa mental, como se o passado voltasse ao presente, fazendo com que estejamos como que aprisionados pela vivência infeliz.

Libertação para novas oportunidades

Seguimos prisioneiros, como se estivéssemos sem a nossa condição de poder escolher qual caminho adotar para nossas vidas e ainda deveremos escolher o caminho do perdão, em razão de que, enquanto nos ocupamos com o que de negativo nos foi direcionado, e que nos foi motivo de descontentamento, estamos abdicando de novas oportunidades.

Ficamos como que paralisados nos fatos já transcorridos e em razão dos pensamentos que nos permitimos, mesmo inconscientemente, dominar nossa mente, sintonizar com outras mentes enfermiças, que pululam ao nosso derredor.

Neste universo de ondas mentais que compõem o mundo invisível e não menos atuante, que está em toda parte, por estas razões especialmente, o perdão é algo que devemos estudar para compreendermos e aprendermos para que se torne uma realidade cada vez mais presente em nossas vidas.

Leia também: Passe Espírita: O Que É, Principais Benefícios e Dúvidas Frequentes

Como conseguir perdoar?

Poderemos atingir a condição de conseguirmos perdoar, buscando as forças que nos faltam, pois em razão da nossa, ainda, pouca evolução, na maioria das vezes, não possuímos as condições necessárias, as conquistas morais, que nos darão forças e vigor moral, para termos êxito nestas conquistas da alma.

Desta forma, todos nós podemos optar pelos caminhos da oração, da meditação, na busca pelo acalmar das emoções, normalmente tumultuadas, pelo torvelinho constante do mundo das formas, o mundo exterior, que cada vez mais nos convida á agitação desenfreada, levando-nos, não raro, à depressão e ao vazio existencial.

Buscando o silêncio mental, através da oração, da meditação e da visualização terapêutica, teremos a oportunidade de nos renovarmos interiormente, de readquirirmos o equilíbrio mental e emocional, que serão como alavancas poderosas para a melhor análise das ocorrências vividas. Quando nos empenhamos em percorrer estes caminhos da “vida interior”, despertamos mais rapidamente que apesar de estarmos na máquina, que é o corpo humano, não somos essencialmente esta máquina, somos o ser espiritual que deve comandar a máquina, e não por ela ser comandado, assim, o perdão se torna uma busca constante, para a nossa saúde e para uma vida plena.

Leia também: Mediunidade: Tipos, Exemplos, Como Desenvolver e Livros Confiáveis

Qual é a diferença entre perdão e desculpa?

Entre a desculpa e perdão existe grande diferença, pois a desculpa é um mecanismo aparente e superficial, onde a persona, a máscara encontra uma maneira de manter o nível social, a urbanidade necessária para a manutenção da convivência, do verniz social.

Enquanto o perdão é este trabalho interno, profundo e verdadeiro, onde nos encontramos conosco mesmos e tomamos a decisão, normalmente árdua, de vencermos os pré-conceitos que trazemos, os atavismos e conseguimos, com esforços tremendos nos colocarmos no lugar do outro e darmos este salto quântico, que é a opção pelo perdão, que é de natureza verdadeira, que em grande parte das vezes, não logra êxito nas primeiras tentativas, pelo contrário, exige muito empenho e dedicação, para esta vitória do Espírito sobre a matéria.

Leia também: Palestras Espíritas: sobre Jesus, Reencarnação, Mediunidade e a Doutrina

Perdão faz bem para a saúde? Benefícios do perdão

O perdão é grandemente benéfico para a saúde do ser, pois ao se deixar envenenar pela culpa do erro cometido, que nem sempre emerge do inconsciente, são liberados conflitos que a mascaram, levando a inquietações e sofrimentos sem aparente causa. A culpa é sempre responsável por vários processos neuróticos, daí a necessidade de auto perdoar-se, para a recuperação do equilíbrio emocional e o respeito por si mesmo.

O nobre espírito Joanna de Ângelis, através do médium Divaldo Pereira Franco, na obra Libertação pelo Amor, em seu capítulo nove afirma:

“o ódio, o ressentimento, o remorso, afetam poderosamente o organismo, embora a sua procedência emocional. As altas cargas vibratórias danosas que são atiradas pela mente no sistema nervoso central, irão afetar o aparelho circulatório com resultados negativos para o respiratório, ao tempo em que as glândulas endócrinas serão prejudicadas pelas energias captadas, encaminhando-as ao sistema imunológico que se desestrutura. Grande número de enfermidades orgânicas e transtornos psicológicos procede dos sentimentos atribulados.”

Podemos notar que o perdão é altamente terapêutico e que vale muito a pena os esforços pela conquista do perdão em nossas vidas, começando pelo auto perdão, pois quem a si próprio não consegue perdoar-se, dificilmente logrará a outros perdoar.

Leia também: Propósito de vida: Como definir o seu propósito? Dicas e Inspirações

Perdoe a si mesmo e perdoar os outros

Na caminhada para alcançar a nobre conquista do perdão em nossas vidas, em nossas atitudes, faz imprescindível que comecemos por nós mesmos, ou seja, pelo auto perdão. Dificilmente lograremos êxito em perdoar a outrem se primeiramente não empreendermos a análise acerca de nós mesmos, de que também somos, como todas as criaturas, falíveis, e que os equívocos de variada ordem, fazem parte do nosso cardápio existencial, que iremos errar, iremos falir, com certa frequência, em nossos atos, nossa conduta.

Fazendo esta análise acerca de nós mesmos, iremos perceber que temos muitos aspectos em nosso ser, que necessitam ser aprimorados, muitas questões, que necessitamos vencer, questões que dão origem aos conflitos, que todos os temos, e que com dedicação e muito trabalho, iremos vencer a pouco e pouco, trabalhando as nossas emoções, nossos sentimentos.

Todo aquele que se avalia, tem melhores condições no trato com o outro, justamente porque encontra em si mesmo, diversos aspectos que necessitam ser aprimorados, ou seja, o indivíduo sabe o quanto é desafiador aprimorar seu próprio caráter, desta forma, ele busca ter mais tolerância com a conduta alheia, com as ações de terceiros que venham na sua direção, nem sempre coerentes e agradáveis, mas que exigem o perdão com frequência. Como ele sabe por si mesmo que todos erramos, perdoa-se e também busca perdoar a conduta alheia.

Leia também: Evangelho no Lar: Como fazer Evangelho no Lar (passo a passo)

4 livros de Divaldo Franco sobre perdão

A mediunidade segura e abençoada de Divaldo Pereira Franco, tem servido de instrumento a diversos Espíritos nobres. Entre estes Espíritos, destacamos a veneranda benfeitora Joanna de Ângelis, que nesta temática sobre o perdão, trouxe-nos através das obras:

  1. Liberta-te do Mal, no capítulo 21, Terapia do Perdão
  2. Libertação pelo Amor, no capítulo 9.
  3. Iluminação Interior, no capítulo 7, intitulado Perdão e Auto perdão
  4. Ilumina-te, no capítulo 17, A Benção do Perdão, entre outras.

Deixando muito claro a importância de compreendermos o significado do Perdão em nossas vidas, para a evolução de todo aquele que se decida por evoluir, na busca por transformar-se em uma pessoa melhor e agir como verdadeiro Cristão.

Leia também: Allan Kardec: Biografia e Informações Confiáveis de Fontes Oficiais

Lenda do perdão: Uma história antiga sobre o perdão que vai te inspirar a perdoar

Conta uma antiga lenda que existia uma cidade onde a palavra perdão nunca existiu. As pessoas eram, portanto, donas da verdade, arrogantes e sofriam de uma terrível moléstia, o complexo de superioridade.
A convivência era bastante complicada porque todos se consideravam perfeitos e com isso não enxergavam, nem admitiam seus defeitos, erros ou equívocos.

Nessa cidade reinava a vaidade, a competição e a inimizade, por mais que elas andassem disfarçadas por detrás de sorrisos e manifestações de afeto. Um dia uma mulher, vinda de outra cidade, foi morar lá. Todos as tardes ia até a padaria e na volta sempre passava por uma praça onde um grupo de rapazes jogava bola. Seu trajeto seria bem menor se ela cruzasse a praça, mas para não atrapalhar o jogo deles ela fazia o seu caminho contornando a praça. Claro que nenhum deles nunca percebeu ou deu valor à sua gentileza.

Naquela cidade muito poucos entendiam desse assunto. Certo dia essa mulher estava cheia de preocupações, com a cabeça bastante perturbada e na volta da padaria não se deu conta do caminho que tomou e atravessou a praça no exato momento em que um dos rapazes ia fazer um gol.
O jogo parou, todos se olharam e o tal jovem, muito bravo, perguntou à ela:
— A senhora não está vendo o que fez? Que falta de atenção, até mesmo de consideração! Custava dar a volta na praça?
E ela respondeu:
— Há cerca de seis meses que todos os dias eu dou a volta na praça para não atrapalhar o jogo de vocês. Hoje, no entanto, eu confesso que me distraí. Estava muito envolvida com meus pensamentos. Peço a todos vocês perdão por isso.
Ninguém entendeu o que ela quis dizer e um dos meninos perguntou:
— Perdão? O que é perdão? Nunca ouvimos essa palavra.
— Perdão é um ato de humildade, embora alguns julguem ser um ato de humilhação.
Os meninos foram para suas casas muito pensativos e contaram a seus pais sobre o perdão.

Humildade que engrandece a alma

Errar, cometer injustiças, tomar atitudes precipitadas que podem prejudicar e magoar terceiros são coisas das quais todo ser humano está sujeito. Reconhecer seus erros e pedir perdão, no entanto, nem todos os seres humanos são capazes. Para isso é necessária uma enorme dose de humildade, um coração sensato e um Espírito elevado.

Só os grandes sabem pedir perdão!

Dizem que aquela cidade anda muito diferente, mais alegre, as pessoas mais amigas, menos rivalidades e que todos além de terem aprendido a pedir perdão, agora também estão aprendendo a perdoar.

Leia também: Espiritismo: o que é, história, fundamentos e principais obras

Perdão frases: 10 citações sobre perdão para você refletir e perdoar

  1. “Amar os inimigos é perdoar-lhes e lhes retribuir o mal com o bem.” (O Livro dos Espíritos – Questão 887).
  2. “Parti daqui com a alma referta de esperança e perdoai! Mesmo àquele que parece não ser credor do perdão, perdoai, porque vos fará bem. A Justiça Divina, a seu modo e termo, realizará a retificação do infrator.” (Bezerra de Menezes).
  3. “Jesus, convidado diretamente à reação negativa, vezes sem conta, permaneceu integérrimo perdoando e amando, por saber que aqueles que O afligiam eram espíritos aturdidos, afligidos em si mesmos, por essa razão, dignos de perdão.” (Joanna de Ângelis).
  4. “Perdão e tolerância são alavancas da sustentação da nossa paz íntima.” (Emmanuel).
  5. “Perdoando, você estará sempre em paz, podendo auferir mais tarde as vantagens de haver sido enganado, perseguido ou ultrajado, com o Epírito livre de outros débitos, de que, então, se encontrará liberado.” (Marco Prisco).
  6. “A terapia moral pelo autoperdão impõe-se como indispensável para a recuperação do equilíbrio emocional e o respeito por si mesmo.” (Joanna de Ângelis).
  7. “Maior é a felicidade de quem expressa o perdão. O perdoado é alguém em processo de recuperação. No entanto, aquele que lhe dispensa o esquecimento do mal, já alcançou as alturas do bem e da solidariedade.” (Amélia Rodrigues).
  8. “Sem dúvida, é impossível saber, quando venhamos a articular o perdão em favor dos outros, se ele foi corretamente aceito ou se produziu as vantagens que desejávamos; entretanto, sempre que olvidemos o mal que se nos faça, podemos reconhecer, de pronto, os benefícios efeitos do perdão conosco, em forma de equilíbrio e de paz agindo em nós.” (Emmanuel).
  9. “Uma postura psicológica ajuda de maneira eficaz e rápida o processo do perdão, que consiste na análise do ato, tendo em vista que o outro, o perseguidor, está enfermo, que ele é infeliz, que a sua peçonha caracteriza-lhe o estado de inferioridade.” (Joanna de Ângelis).
  10. “Não devolver o mal que se sofre é o início do ato de perdoar. Compreender, porém, que o outro, o agressor, é infeliz, que ele se compraz em malsinar porque é atormentado, constitui a melhor reflexão para o perdão radical, o perdão sem reservas.” (Amélia Rodrigues).

Leia também: Suicídio na visão Espírita: Conceito, Consequências e Prevenção

Conclusão: vale a pena perdoar

Em síntese, perdoar não significa isentar o agressor da responsabilidade assumida pelo ato impensado, pois a ninguém é dado a possibilidade de apagar da Lei Divina débitos contraídos pelo uso equivocado do livre-arbítrio, situação perfeitamente normal, no carreiro evolutivo de seres que fomos, todos, sem exceção, criados simples e ignorantes.

No entanto o verdadeiro sentido do perdão está em não se vincular ao agressor, perdoar é uma atitude que não depende da concordância, da aprovação ou não de quem quer que seja, somos livres para errar, para reparar, para perdoar, porque Deus é amor, e o amor sempre nos concede novas oportunidades.

Ao atingirmos este nível de compreensão, de que somos filhos do amor, e de que o erro está conosco para nos impulsionar na direção da plenitude, não mais nos deteremos tantos nas faixas da mágoa, do ressentimento, da culpa, como crianças queixosas, e ao contrário, buscaremos a reabilitação, a coragem para vencermos a nós próprios e avançarmos, livres. Pois aquele que compreende que é filho do amor, não se permite deter por nada, pois sabe que o infinito lhe aguarda e que o universo é o seu lar.

Agora que você entendeu o que é o perdão, está disposto a perdoar? Vamos conversar mais sobre isso nos comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *